Edição 309 | 2017

Home/ Revista/ Edição 309/ Educação


Clique para ver a versão impressa [+]
28/08/2017 16:00

A escola ideal

Instituições que oferecem foco em habilidades socioemocionais e o ensino da convivência ganham espaço

Divulgação
Divulgação
As dúvidas sobre a melhor escola para a educação dos filhos são muitas e diversos são os fatores que devem ser analisados pelos pais na tomada de decisão. Além do modelo de ensino, é preciso analisar se há conteúdos voltados para a formação cidadã e para o mercado de trabalho. Segundo a Unesco, há quatro pilares da educação que funcionam com norteadores das políticas educacionais em todo o mundo: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a ser e aprender a conviver.
"A aprendizagem não se limita apenas à absorção de conhecimentos. Dados e pesquisas científicas mostram que os estudantes que desenvolvem habilidades socioemocionais têm melhor desempenho acadêmico em relação aos demais, pois aprendem com mais facilidade os conteúdos escolares", afirma o especialista em educação e criador da Rede VIAe - método educacional que estimula competências e habilidades socioemocionais, Marco Gregori. "Há comprovação também de que estas habilidades são melhor desenvolvidas quando fomentadas mais cedo, na infância", diz.
Segundo ele, é preciso que os pais procurem por escolas que preparem as crianças, desde cedo, para serem protagonistas de suas vidas. "Isso pode ser estimulado pela escola por meio do desenvolvimento de habilidades, como realização, adaptação e resiliência, autoestima e autoconfiança, autonomia, colaboração, empatia, pensamento ativo e resolução de desafios, comunicação e consciência do coletivo", explica Gregori.
A tarefa não é fácil para os genitores e, saber trabalhar com as emoções pode contar muito na hora em que o pai ou a mãe selecionam a melhor escola para o seu filho. "Este é, afinal, o período que marca os novos aprendizados na vida de uma criança e que a desafiam diante do mundo que está lá fora. Mas, não é fácil decidir algo que pode mexer e marcar profundamente o desenvolvimento e a educação infantil", destaca a diretora e professora da Escola Kids Home, Regina Pundek que aconselha a observação e a percepção na hora de selecionar e visitar as escolas.
Regina enfatiza que os pais devem buscar uma escola que tenha a ver com o seu filho e o estilo da família, "pois, sentir-se integrado ao ambiente escolar faz com que se forme a tribo que vai educar a criança. Comungar valores e posturas é fundamental".
A especialista sugere que, antes de sair de casa, os pais levantem os critérios que pesarão na decisão, como: metodologia, distância, preço, atendimento, espaço físico, tempo para o brincar, tipo de avaliação, entre outros. "Observem as paredes, elas falam! Verifique se o que está exposto foi feito pelas crianças ou pelas professoras. Observem o que estão fazendo as crianças, se estão alegres, brincando, como são tratadas pelos adultos. Gosto de encontrar crianças sujas de terra, de tinta, de argila. Observem o tipo de atividade que a escola propõe", recomenda.
Para a especialista, a participação da criança nas visitas pode distorcer a percepção dos pais pois a preferência da criança não será necessariamente a dos genitores, o que pode complicar ainda mais a tomada de decisão. "Acredito que depois de os pais decidirem, a criança pode ir visitar já sabendo que aquela será a sua escola. Então os pais lhe contarão as coisas bacanas que ela viverá naquele lugar" sugere.

Novas gerações
A escola também precisa estar preparada para as novas gerações, que são mais criativas, se adaptam melhor às mudanças, têm facilidade de assimilar muitas informações e com mais rapidez e estão sempre em busca de novidades. "É preciso atualização constante da escola e do professor, utilizar meios digitais para o ensino das disciplinas, falar a mesma linguagem, promover aulas práticas e atrativas e, principalmente, trazer o aprendizado para a realidade do aluno", explica Gregori.
Para ajudar no momento da escolha, Gregori também listou algumas dicas que considera essenciais no processo:
1 – Tenha claro em sua mente quais suas expectativas em relação à escola e o que não abre mão. Pode ser com relação à estrutura física, localização, período e metodologia. "Cada um tem sua maior preocupação e é importante que atenda a sua necessidade principal", ressalta.
2 – Analise se a escola está em sintonia com seus valores e ideais. Não será positivo matricular seu filho numa escola na qual não acredita no que é pregado.
3 – Pesquise, visite as instituições e converse com professores, pais e alunos antes de tomar sua decisão. "Acredito que os pais devam levar o filho nestas visitas e analisar se ele se sente seguro e confortável no local".
4 – Prefira escolas que vão além do ensino. "Sabemos que aprender matemática, português e história é essencial, mas aprender a ser protagonista do próprio desenvolvimento é uma oportunidade incrível e essencial para as necessidades do mundo que a criança enfrentará no futuro", destaca Gregori.
5 – Preço e qualidade devem ser analisados conjuntamente. "Não adianta optar por uma escola muito barata se o ensino não é adequado", finaliza.Mesmo com todas as dicas em mãos, a decisão pode ser difícil. Por isso, leve um caderno e faça anotações após sair de cada escola visitada, assim você não corre o risco de esquecer algum detalhe que pode ser decisivo na hora de optar por essa ou aquela instituição.


FIQUE LIGADO

1- Comunicação: os pais devem ter acesso ao interior da escola e a equipe pedagógica.
2- Acolhimento: avalie a atitude dos professores com seu filho e com as outras crianças.
3- Segurança: acidentes podem acontecer, mas perigo não pode existir em um lugar com crianças.
4- Higiene: observe a limpeza de toda a escola, especialmente do refeitório, piscina, banheiros e parquinho.
5- Espaço: verifique se as salas de aula comportam movimentação.
6- Material: observe se existem materiais pedagógicos disponíveis.
7- Localização: a escola deve ser próxima de casa. O trânsito é estressante para as crianças e consome tempo dos pais.
8 - Alunos por sala: muitos alunos na sala diminui a possibilidade do professor dar atenção individualizada, especialmente, em séries iniciais.
9- Disciplina: limites claramente definidos, impostos pela escola, bem como usar o uniforme e não chegar atrasado à aula.
10- Infraestrutrura: quanto maior a infraestrutura (biblioteca, laboratórios, quadras) melhor para o aluno, contudo isso também depende da idade da criança.

"A aprendizagem não se limita à absorção de conhecimentos. Os estudantes que desenvolvem habilidades socioemocionais têm melhor desempenho acadêmico em relação aos demais"
Marco Gregori - especialista em educação e criador da Rede VIAe
Divulgação