Educação

Home/ Notícias Online/ Educação/ Cinco Dicas para Nutrir a Cria...

Cinco Dicas para Nutrir a Criatividade na Educação das Crianças

Publicada em : 22/06/2019

Especialista explica que desenvolver o potencial criativo infantil estabelece vínculos e ajuda as crianças a se tornarem adultos emocionalmente saudáveis

Psicóloga e educadora criativa Bianca Solléro
Uma pesquisa da Fundação Botín, na Espanha, mostrou que uma educação rica em criatividade na infância pode aumentar em 17,6% as chances de uma criança ingressar no ensino superior e conseguir um bom emprego. Por outro lado, a ausência dessas atividades pode elevar em cinco vezes as chances de um jovem se tornar dependente de ajuda financeira ou assistência pública.
Além disso, o último estudo do Instituto IBM com 1.500 CEOS de 60 países e 33 setores da economia elegeu a criatividade como a principal habilidade para líderes e profissionais atuais. Atributos como liderança, assertividade e produtividade ficaram em segundo plano e a criatividade no mundo profissional não é apenas mais um bônus, mas sim, fator de sobrevivência frente ao surgimento de inteligências artificiais e novas tecnologias que estão por vir.
Entretanto, a capacidade criativa é algo que deve ser estimulado desde a infância, principalmente em casa e no ambiente educacional. Por isso, a psicóloga e educadora criativa Bianca Solléro tomou a criatividade como seu principal objeto de estudo. Segundo a especialista, uma das chaves do sucesso da criatividade está em observarmos o modelo mental infantil, naturalmente inovador e carregado de elementos que precisamos resgatar para atingirmos esse potencial.
O que é educação criativa?
A educação criativa diz respeito ao processo educativo centrado na criatividade, seja por parte da família ou da escola, com o objetivo de que as crianças se tornem adultos realizados, com autonomia e protagonistas de sua própria realidade. A psicóloga afirma que a criança já nasce com as habilidades que propiciam o desenvolvimento da criatividade e nutrir isso significa um aumento nas chances de ela ser um adulto realizado.
“A importância de nutrir a criatividade ainda na primeira infância é garantir que a criança terá a principal habilidade do futuro. Será mais capaz de se realizar profissional e pessoalmente, de ser bem-sucedida e segura”, destaca Solléro, que defende a criatividade como um dos principais mantenedores do equilíbrio emocional.
Bianca Solléro acaba de realizar uma viagem à Alemanha e Estônia para o projeto Inovação Educacional em foco, em que realizou uma pesquisa de fundamentação prática, baseada em observações locais e contato com docentes, sobre práticas pedagógicas inovadoras.
Como nutrir vínculos e a criatividade em família?
Segundo Bianca Solléro, vínculo familiar e criatividade são conceitos que andam lado a lado. “Toda vez que nos preocupamos em promover a criatividade de nossas crianças, automaticamente estamos fortalecendo o vínculo, elemento essencial para que ela cresça emocionalmente saudável”, explica. Os estudos de Solléro mostram ainda que o vínculo familiar é um dos fatores que contribuem para que a criança esteja menos propensa a desenvolver problemas psicológicos durante a vida, principalmente a depressão. Até 2020, esta será a doença mais incapacitante do planeta, segundo a Organização Mundial da Saúde.
Ela aponta ainda a falta de tempo como principal empecilho na tentativa de estabelecer esse vínculo, porém ressalta a importância de firmar essa conexão e aproximar pais e filhos ainda que seja em curtos períodos, mas bem aproveitados. “Às vezes, a gente encontra realidades em que os pais mal conseguem ver o filho de segunda a sexta-feira, somente aos finais de semana. Quando saem, a criança está dormindo e, quando chegam, a criança já dormiu. Além disso, os pais estão exaustos e toda essa circunstância pode afastar, mas é possível se organizar com medidas simples para que esse vínculo seja nutrido e mantido”, completa Solléro.
A especialista traz 5 dicas para nutrir a criatividade das crianças em casa:
1. Crie um cantinho criativo. Escolha com a criança um cantinho da liberdade criativa. Nesse espaço, que pode ser uma parede, uma mesa ou uma porta, a ideia é que a criança possa fazer tudo que estimule sua criatividade, sem deixar de cuidar de si, do outro, da natureza e das coisas ao seu redor.
2. Escute o que ela tem a dizer. Podemos promover pequenos gestos e diálogos com a criança, fazendo com que ela se sinta estimulada a opinar ou oferecer caminhos para uma determinada situação, como: ‘que tal hoje decidirmos juntos o que teremos para o jantar?’ ou ‘amanhã é aniversário da sua irmã, que tipo de surpresa boa podemos preparar para ela?
3. Estimule a coragem e autoconfiança. Evite dizer para a criança que o que ela faz está errado, procure palavras como “inadequado" ou “desrespeitoso”. Em vez de elogiar ou dizer palavras que denigrem sua competência, prefira expressões como “Você consegue”, “Ainda não deu, mas em breve você será capaz de fazer isso”, “Uau, que legal você ter conseguido isso se esforçando, não é? Como se sente agora?”.
4. Entenda a teimosia e a desobediência. Faça combinados curtos, fáceis de entender. Você pode colocar frases ou desenhos que representem as recomendações na parede ou na geladeira, por exemplo. Procure ainda restringir seus “nãos” a essas “regrinhas”. Assim, quando a criança “teimar” com você, será mais fácil justificar seu posicionamento.
5. Aguce a curiosidade. Respeite o tempo da criança de brincar sozinha e em silêncio. Nesse momento, ela conhece todas as possibilidades daquele brinquedo e também suas próprias habilidades. Outra dica é estimular a criança a se interessar por coisas novas, dizendo: “Nossa! O que é aquilo?” , “Que textura aquilo tem?”, “Como será que usa isso?”.
Sobre Bianca Solléro
Bianca Solléro é psicóloga, educadora criativa e consultora de inovação em educação, com aperfeiçoamento em Gestão de Pessoas pela FGV. Há mais de 18 anos envolve-se em projetos e ações que estimulam crianças a crescerem conectadas com sua essência por meio da habilidade criativa.
Pesquisadora prática do modelo mental infantil, Bianca inspira adultos a resgatarem a criatividade que um dia tiveram em abundância, para que hoje consigam atuar de forma inovadora no trabalho e na educação de outras crianças.
Desde 2015 é consultora da KeepLearning School, onde atualmente atua como tutora oficial do curso Criando Crianças Criativas (Cri Cri Cri), promovido por essa escola online, em parceria com o professor e palestrante Murilo Gun.

Fonte:Grupo AP2